As soluções tecnológicas têm sido cada vez mais buscadas pelas empresas, em resposta à crescente necessidade de digitalizar e modernizar seus serviços.

O uso de aplicações digitais para um determinado negócio tem justamente essa finalidade: utilizar a tecnologia e a inovação, por meio de soluções modernas e personalizadas, para atender uma ou mais demandas, sejam elas internas ou externas. Um estudo realizado pelo Gartner aponta que, impulsionadas pelo início do Covid-19, as iniciativas de tecnologia digital servirão como a principal prioridade estratégica do mercado nos próximos dois anos.

Em alguns casos, à medida que a empresa cresce e as tecnologias evoluem, essas mesmas aplicações podem não suportar o volume de dados gerados e ter sua capacidade de evolução reduzida, tornando-as obsoletas para a nova realidade do negócio.

Por isso, é extremamente importante que essa aplicação seja escalável, permitindo que alterações e aprimoramentos sejam realizados na solução, sem a necessidade da substituição completa do sistema. E, para garantir que isso seja possível, é preciso dar alguns passos para trás no desenvolvimento, iniciando pela etapa de Arquitetura de Soluções.

Para entender melhor sobre este assunto e compreender como a Arquitetura de Solução funciona na prática, confira, a seguir, uma breve explicação sobre o conceito e os principais benefícios que ela pode oferecer para o desenvolvimento de uma aplicação digital.

Arquitetura de Solução: o que é?

A Arquitetura de Solução desempenha um papel primário e fundamental na construção de qualquer solução digital, baseando-se nas necessidades do negócio e no sucesso da aplicação. Em outras palavras, estabelece uma série de regras e escolha de recursos a serem utilizados, para atender uma ou mais demandas da empresa, por meio de uma aplicação digital.

Algo importante a ressaltar é a diferença entre a Arquitetura de Solução e a Arquitetura de Software. Apesar da semelhança em seus nomes, ambas têm atuações distintas. Enquanto a Arquitetura de Software trata questões mais técnicas no desenvolvimento da aplicação, aplicando a linguagem de programação e demais componentes tecnológicos estabelecidos para o sistema, a Arquitetura de Soluções é voltada a estratégia de aplicação, na definição das boas práticas e da maneira que o desenvolvimento será feito, para garantir maior robustez e possibilitar o crescimento do negócio.

uma mão segurando um celular que está projetando vários cubos ilustrando uma arquitetura de solução

Arquitetura de Solução: quando ela é necessária?

Como ressaltamos anteriormente, o desenvolvimento de qualquer solução digital que deseje ter suas metas de negócio alinhadas em termos de software, plataforma e infraestrutura, pode (e deve!) utilizar uma arquitetura de solução bem definida e planejada em sua construção.

Arquitetura de Solução: vantagens ao utilizá-la no desenvolvimento de aplicações digitais

Construir soluções robustas, que suportem o crescimento do negócio é, com certeza, o principal benefício do uso da Arquitetura de Soluções. A possibilidade de escalabilidade dessa aplicação garante que a empresa tenha um software sem uma data de validade estabelecida, capaz de ser adaptado para uma realidade futura.

Outra característica bastante importante dessa utilização é a padronização do projeto, permitindo que alterações posteriores sejam realizadas de maneira assertiva e exista um total entendimento da construção do software, independentemente do profissional de tecnologia que fará essa atualização.

E, por fim, mas não menos importante: oferece resposta rápida à correção de erros ou ao mau funcionamento da aplicação. Quando existente, é desenvolvida a partir de uma Arquitetura de Soluções implementada de modo adequado, ou seja, as possíveis correções que se façam necessárias são executadas com mais agilidade, já que é possível ter o pleno conhecimento da estrutura da solução.

Critérios para definir a arquitetura de uma nova aplicação digital

O primeiro passo para estabelecer qual arquitetura será aplicada à solução é compreender o nível de complexidade que essa aplicação exige.

Neste momento são consideradas informações como: qual é o principal objetivo do software, quais são as áreas envolvidas na utilização e quais são os recursos necessários para gerar valor para à empresa.

Logo em seguida, é o momento de estabelecer o estilo de arquitetura e quais padrões irão complementar com detalhes essa implementação. Existem inúmeros modelos possíveis para definir a arquitetura a ser utilizada em uma solução e ter uma consultoria especializada para auxiliar na escolha ideal, é crucial para o sucesso da aplicação. A seguir, reunimos as que se destacam no mercado moderno:

Command Query Responsibility Segregation (CQRS): consiste em um padrão que permite a separação da atuação de canais distintos de comando e consultas de dados. De forma resumida, é indicado para aplicações que necessitem suportar muitos usuários simultaneamente, sem comprometer o seu funcionamento;

Microsserviços: corresponde a uma arquitetura que permite que as aplicações sejam desmembradas em pequenas soluções para uma utilização independente;

Model-View-Controller (MVC): como o próprio nome sugere, é aplicável em situações que exigem uma facilidade no repasse de informações do banco de dados, permitindo respostas rápidas e dinâmicas. Um exemplo de utilização dessa arquitetura é no campo de login, em que o sistema captura as informações digitadas, confere no banco de dados e gera a resposta. Tudo isso em questão de segundos!;

Arquitetura Orientada a Eventos (EDA): é aplicável em situações nas quais uma determinada ação dentro da solução gera um novo processo para atender automaticamente a essa solicitação.

Após a escolha do padrão mais adequado para a necessidade da aplicação, é o ponto de estabelecer quais outras tecnologias podem ser utilizadas dentro do software, a fim de agregar valor para a empresa. Lembrando que tanto a seleção do modelo como das demais tecnologias precisam estar diretamente relacionadas aos objetivos da empresa.

Outro ponto a ser estabelecido é o tipo de armazenamento que a aplicação utilizará. Essa etapa implica, diretamente, na capacidade de sua escalabilidade. Por isso é interessante optar por uma solução que utiliza armazenamento em nuvem em ambientes modernos e dinâmicos para aplicativos. Afinal, se trata de uma opção mais acessível e que permite o escalonamento do software.

Como construir aplicações digitais de maneira assertiva para a sua empresa?

Para te ajudar no desenvolvimento de produtos digitais ou novas features, a Programmer’s conta com uma metodologia ágil própria, a Agile Experience, que permite o melhor aproveitamento de recursos e tecnologias na construção e modernização de soluções que entregam valor para a sua empresa. Além disso, atua com uma equipe multidisciplinar, expert em suas áreas de atuação e com o mindset ágil.

Fale conosco e saiba mais sobre nossas soluções e como o Programmer’s Agile Experience pode auxiliar a sua empresa na construção de cases de sucesso!

Quer acelerar a transformação digital da sua empresa?_

Nós te ajudamos a prever tendências e alcançar objetivos futuros.

Telefone +55 (11) 3504-1100 Email contato@programmers.com.br                    Entre em contato